VÍDEO: briga generalizada suspende eleição para presidente da Câmara de Vereadores de Macapá

Vereadores brigaram no plenário antes da votação do novo líder da casa.

Briga generalizada suspende eleição de presidente da Câmara de Vereadores de MacapáG1 AP

Briga generalizada suspende eleição de presidente da Câmara de Macapá

Uma briga generalizada entre políticos e funcionários interrompeu o início da eleição para presidente da Câmara de Vereadores de Macapá, na tarde desta quinta-feira (4). Vídeos mostram discussão e depois o tumulto envolvendo vários parlamentares, entre eles Caetano Bentes (PSC), Yuri Pelaes (PMDB), que iniciaram o confronto.

A Polícia Militar (PM) e a Guarda Municipal fizeram a contenção dos parlamentares e não há informação sobre feridos. Vídeos feitos do local mostram a briga que envolve várias pessoas e teria iniciado minutos após a abertura da sessão, presidida interinamente por Yuri.

As divergências iniciaram após o vereador Pastor Didio (PRP) apresentar um documento solicitando a suspensão da sessão, mas o conteúdo da justificativa ainda não foi informado.

Acompanhe a cobertura da GloboNews sobre a confusão

Em seguida, Yuri pediu a Caetano Bentes, que é 1º secretário da Casa, para ler o conteúdo do documento. Ele negou, os dois começaram a discutir e depois entraram em confronto. Em seguida, houve a confusão generalizada e a sessão foi interrompida por cerca de uma hora.

Depois, os vereadores voltaram para a mesa e Caetano Bentes reiniciou a sessão, sendo advertido por Yuri Pelaes de que a votação é ilegal, mas ela foi retomada e 12 dos 23 parlamentares votaram em Marcelo Dias (PSDB) para presidente e Adrianna Ramos (PR) como vice.

Durante a votação, as luzes, os microfones e o ar-condicionado do plenário foram desligados. A direção da Câmara não informou se houve queda de energia ou suspensão intencional.

Polícia Militar e Guarda Municipal precisaram entrar no plenário — Foto: Fabiana Figueiredo/G1

Polícia Militar e Guarda Municipal precisaram entrar no plenário — Foto: Fabiana Figueiredo/G1

Eleição remarcada

A sessão desta quarta-feira (4) será a segunda para eleger o presidente da Casa pelo biênio 2019-2020, pois a primeira realizada em 25 de janeiro e que escolheu Ruzivan Pontes, foi anulada pela Justiça.

Um pedido de liminar havia sido impetrado pelo vereador Rinaldo Martins (Psol), que afirmou que o prazo de inscrição de chapas era muito curto, um dia, que não havia comissão eleitoral para acompanhar o pleito, e que o presidente eleito já fazia parte da mesa diretora, o que fere regras do regimento interno da Casa de Leis.

Uma liminar já havia suspendido o edital, no dia 23 de janeiro, no dia marcado inicialmente para a eleição. A Câmara adiou e realizou a eleição dois dias depois. Somente uma chapa concorreu à disputa, a liderada por Ruzivan Pontes.

Briga aconteceu no plenário da Câmara de Vereadores — Foto: Reprodução

Briga aconteceu no plenário da Câmara de Vereadores — Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar