Quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro afeta 9 ex-assessores do pai.

Cinco atuais funcionários do senador também terão dados fiscais e bancários levantados pelo Ministério Público

RIO E SÃO PAULO – Nove pessoas que já atuaram como funcionários do atual presidenteJair Bolsonaro em seus mandatos como deputado federal estão entre os alvos de quebra de sigilo bancário e fiscal na investigação do Ministério Público do Rio (MPRJ) envolvendo seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Há também cinco assessores atuais de Flávio que são alvos do pedido de afastamento de sigilo autorizado, no último dia 24, pelo juiz Flávio Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Rio.

A investigação foi aberta para apurar indícios da prática de “rachadinha” – isto é, a devolução de parte do salário pago a assessores – no gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) identificou movimentações atípicas nas contas de Flávio Bolsonaro e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz, em relatório que veio a público no fim de 2018. Ao solicitar as quebras de sigilos bancário e fiscal de 95 alvos, o MP apontou indícios da existência de uma “organização criminosa” desde 2007 no gabinete de Flávio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar